Hortênsia Menino

Hortênsia dos Anjos Chegado Menino, nasceu na freguesia de Nossa Senhora da Vila em Montemor-o-Novo. Cedo se interessou pelo estudo do território, dos fenómenos espaciais, da regionalização, do desenvolvimento do Alentejo. Depois, o gosto pela geografia, levou-a até Lisboa onde se licenciou em Geografia e Planeamento Regional - variante de Geografia Humana. Atualmente é Presidente da Presidente da Câmara Municipal de Montemor-o-Novo e do Conselho Intermunicipal da CIMAC. 

1- Comentário a um livro que o marcou ou cuja leitura recomende

Recomendo “A rua da estrada” de Álvaro Domingues. É uma obra importante na análise do território, nas profundas mudanças que o nosso país sofreu nos últimos anos e de como o rural e o urbano se cruzam, na análise da organização do espaço, na alteração dos padrões de localização das atividades e das pessoas. É uma excelente análise e reveladora do contributo que a Geografia e os geógrafos dão ao território.

2 - Que significado e que relevância tem, no que fez e no que faz, assim como no dia-a-dia, ser geógrafo?

Desde o 9º ano que quis ser geografa, o interesse por conhecer e interpretar os fenómenos sociais e territoriais sempre fizeram parte dos meus objetivos. A licenciatura em Geografia e Planeamento Regional- variante de Geografia Humana na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa deu-me ferramentas para analisar as causas e os efeitos da distribuição espacial de fenómenos como o povoamento, a localização de atividades económicas, a rede hidrográfica.

No ensino tentei incutir nos jovens o gosto e a curiosidade pela Geografia, disciplina por vezes pouca amada por uns, mas entusiasmante para outros.

Mais tarde, enquanto Vereadora da Câmara Municipal de Montemor-o-Novo com o pelouro de Administração Urbanística e Ordenamento do Território senti maior segurança nas decisões que ajudava a tomar. Agora, enquanto Presidente da Câmara Municipal, da CIMAC e da ADRAL tenho necessidade de dar resposta às necessidades das populações, pelo que conhecer métodos e formas de interpretar as transformações que os territórios sofrem em resultado do abandono das áreas rurais, do despovoamento e por outro lado, o aproveitamento dos recursos naturais para promover o desenvolvimento local, permite-me, ao estabelecer também uma relação entre a Geografia e o Planeamento sentir que a Geografia é um elemento importante da minha atividade diária.

3 - Na interação que estabelece com parceiros no exercício da sua atividade, é reconhecida a sua formação em Geografia? De que forma e como se expressa esse reconhecimento?

Foi sobretudo enquanto trabalhei em consultoria, onde desenvolvi e adaptei, no quadro de uma equipa multidisciplinar, a metodologia de aplicação da Agenda 21 Local que senti que ser geografa era uma mais valia, pela facilidade de identificação da espacialização dos fenómenos territoriais.

Em termos gerais, sinto que há ainda um desconhecimento em relação à Geografia e aos Geógrafos, considero que cabe também aos Geógrafos cuidar melhor dessa afirmação e reconhecimento que lhe é devido.

 

4 - O que diria a um jovem à entrada da universidade a propósito da formação universitária em Geografia, sobre as perspectivas para um geógrafo na sociedade do futuro? E a um geógrafo a propósito das perspetivas, responsabilidades e oportunidades?

Começava por perguntar se é o curso que quer tirar, senti que como eu quase todos os meus colegas estavam a estudar Geografia como primeira opção, alguns deles até com um percurso profissional noutras áreas. Diria que a formação superior em Geografia é uma formação vasta, diversificada, importante enquanto formação para a análise dos fenómenos que nos rodeiam, que a Geografia é uma ciência prática e que com a utilização das tecnologias de informação geográfica foi alargado o âmbito de intervenção dos geógrafos nos serviços públicos, mas também em consultoria, turismo, ambiente e com isso também as oportunidades de trabalho.

5 - Queríamos pedir-lhe que escolha um acontecimento recente, ou um tema atual, podendo ambos ser de âmbito nacional ou internacional. Apresente-nos esse acontecimento ou tema, explique as razões da sua escolha, e comente-o, tendo em conta em particular a sua perspectiva e análise como geógrafo.

Como Geógrafa e como eleita do Poder Local Democrático hoje interessam-me muitas matérias relacionadas com o Ordenamento do Território, a organização administrativa do território e a regionalização.

Considero este último um assunto a merecer uma discussão profunda, num horizonte de curto/médio prazo, para o qual os geógrafos poderão e deverão dar um contributo importante na perspetiva do desenvolvimento regional, da coesão territorial e social do país e da qualidade de vida das populações.

6 - Que lugar recomendaria para saída de campo em Portugal? Porquê?

Recomendo uma saída de campo à área de influência do empreendimento de Fins Múltiplos de Alqueva, no Alentejo, que sofreu uma enorme transformação na paisagem, na atividade agrícola, na gestão de recursos, na distribuição da população, na posse da terra, nas infraestruturas e que é o exemplo da importância e da influência do investimento público e da necessidade de acautelar a criação de mais valias para a região, para ao aumento da produção, do crescimento económico, do emprego e do desenvolvimento regional.